O bebê nasce e começa a se desenvolver cognitivamente e emocionalmente com todos os estímulos que são apresentados no seu meio ambiente.  E justamente por tudo ser muito novo é que, ao mesmo tempo que fascina,  todas as cores, cheiros e sons podem ser também assustadores. Esse, aliás, é um dos motivos que, muitas vezes, fazem a criança “brigar” com o sono para não dormir. Um tanto de medo, mas outro tanto de não quer perder nada ao seu redor, pois, de fato, ela tem muito a aprender. Nesta fase, como não consegue se expressar oralmente, a criança usa o choro e a risada para se comunicar.

Os primeiros recursos a serem usados são motricidade grossa, desenvolvimento dos grandes músculos do pescoço, membros e tronco e, em seguida, a motricidade fina- desenvolvimento dos músculos dos dedos das mãos e dos pés, pulsos e músculos de menor extensão e sensório motora que dão base aos cinco sentidos: olfato. visão, paladar, audição e tato. Com atividades muito simples e fáceis, os pais podem estimular as crianças para desenvolverem todo seu potencial e criarem vínculos para o resto da vida. 

O desenvolvimento da criança sensório motor, motricidade grossa e fina ocorre junto. Primeiro a criança começa a engatinhar, depois se apoia em móveis para andar até ter a segurança de poder andar sozinha, reage a sons olhando na direção, explora os objetos e brinquedos usando as mãos, a boca e a visão. Os pais podem ajudar a estimular expondo a criança a diversos sons através de músicas infantis e conversas.  Quando a criança já conseguir sentar role a bola na direção da criança. Use bolas de diversos tamanhos e texturas. Experimentar texturas diferentes tanto na comida como em objetos vai ajudar muito no desenvolvimento infantil. Converse com a criança em tom natural que ela irá responder com risos ou expressões faciais. A criança aprende a falar através dos sons que ela ouve e começa a balbuciar, mais ou menos, aos 8 meses. O balbucio é quando a criança começa a usar a comunicação oral. Através dos sons ela vai testar a comunicação com a reação que recebeu do adulto. Uma outra atividade que ajuda muito é colocar a criança em frente a um espelho e apontar para as partes do rosto. Lembre-se de contar histórias para a criança apontando para algumas figuras. A criança é muito receptiva e gosta de interagir. 

O mais importante é sempre se lembrar que os primeiros cinco anos são cruciais para o desenvolvimento emocional e cognitivo das crianças. E, embora essa relação dos pais com o filho começa ainda antes do nascimento e amadurece no decorrer da vida, vários estudos têm mostrado que troca e a proximidade de afetos já desde o início da vida ajudam a dar o tom do relacionamento entre a criança e seus cuidadores no decorrer do tempo. 

Escrever um comentário