Uns dos grandes desafios dos pais é fazer com que os filhos comam saudavelmente, principalmente nas principais refeições como almoço e jantar. Entretanto, na tentativa de fazer os pequenos ingerirem mais verduras e legumes, por exemplo, muitas famílias se desesperam e acabam lançando mão de chantagens e manipulações para atingir esse objetivo. Frases como “Se não comer brócolis, não terá sobremesa!”, são comuns na mesa de refeições familiares.

Entretanto, brigas, broncas e chantagens não ajudam em nada as crianças a comerem mais ou melhor. Pelo contrário, esse “clima tenso” só causa mais ansiedade e muitas vezes até leva a traumas e aversões. O ideal é que o momento da refeição seja sagrado e agradável e que todos o aproveitem como uma oportunidade de unir a família e colocar o papo em dia.

O que fazer então?

Rotina é indispensável para as crianças e não só quando são bebês. A rotina faz o sistema digestivo estar preparado para a refeição (gera fome), além de deixar a criança segura (ela já sabe o que irá acontecer), facilitando também o dia a dia dos pais.

Local correto também é primordial. Comer na mesa, sem celulares ou TV ligada, por exemplo, ajuda a criança a dar atenção ao ato de se alimentar. E isso envolve um esforço de toda família que, sempre que possível, deve se sentar juntos para as refeições.

Para deixar as saladas sempre atrativas um dica é fazê-las coloridas, usando temperos naturais e acrescentado pedaços de frutas. Observe que a forma de cortar as folhas e legumes pode fazer toda a diferença na aceitação.

Outra dica valiosa neste sentido é colocar seu filho para participar tanto do preparo, como da compra dos ingredientes. Leve-o para o varejão ou feira e mostre para ele os diferentes tipos de hortifruti. Deixo-o pegar e cheirar. Com certeza o alimento ficará muito mais interessante.

Mais uma observação interessante é lembrar que qualidade não tem haver com quantidade. Aliás, um prato muito cheio costuma assustar as crianças. Assim, coloque ou ajude-o a colocar quantidades menores e se ele quiser, pode repetir.

Um outro ponto importante é não demonstrar desapontamento quando ele não comer. A sugestão, neste caso, é retirar o prato sem fazer comentários e aceitar que ele pode, simplesmente, estar sem fome. Porém, quando isso acontecer, é interessante que as famílias não cedam às “besteirinhas” alimentares tendo em vista que ele não comeu. Assim, não vale oferecer iogurtes, biscoitos, salgadinhos, pipoca, entre outros, no lugar da refeição.

Acompanhe o desenvolvimento do seu filho e observe o geral de sua alimentação e não apenas uma refeição isolada.

E por fim, lembre da força do exemplo! Vale a pena que toda família se esforce para ter uma alimentação mais saudável. Isso terá reflexos não apenas nas próximas gerações, como trará benefícios e mais qualidade de vida para todos.

Escrever um comentário