Irritação, secreção, lacrimejamento, inchaço das pálpebras, vermelhidão e coceiras nos olhos. Esses são os principais sintomas da conjuntivite, uma inflamação na conjuntiva, que é uma membrana transparente e fina que reveste a parte da frente dos olhos. Geralmente, ataca os dois olhos e tem duração de uma semana a 15 dias. 

De acordo com a oftalmopediatra Rafaela Modelli, a conjuntivite pode se manifestar de três formas: viral, bacteriana, e alérgica. “A mais comum em nosso meio é a viral, porém atendo em meu consultório muitas crianças com conjuntivite alérgica”, pontua.

Assim que a família perceber que a criança apresenta alguns dos sintomas, a recomendação é agendar uma consulta com um oftalmologista. “Apenas o oftalmologista, através do exame físico, conseguirá identificar qual o tipo da conjuntivite, e assim iniciar o tratamento”, explica.

E o tratamento depende do tipo de conjuntivite que se manifestou na criança. De acordo com a médica, nos casos virais, o tratamento é sintomático, ou seja, com colírios lubrificantes para dar maior conforto, e compressas geladas com água mineral ou filtrada. Quando a conjuntivite é bacteriana, é necessário utilizar colírio antibiótico. 

“Se for alérgica, nesse caso é necessário identificar o agente causador da alergia. Na maioria das vezes, é por ácaro e pólen.  O tratamento é feito com colírio antialérgico, e compressas geladas com água mineral ou filtrada”, afirma Rafaela.

Saiba os cuidados necessários com a criança que está com conjuntivite

Segundo a oftalmopediatra Rafaela Modelli, a conjuntivite alérgica é a única que não é transmissível. Por isso, tanto a viral quanto a bacteriana precisam de cuidados específicos. Confira:

  • Separar os objetos de uso comum (roupas de cama, talheres e toalhas), deixando exclusivo para a criança;
  • Lavar bem as mãos com água e sabão;
  • Evitar aglomerações e piscina;
  • Evite que a criança coce os olhos;
  • Não enviar a criança para escola até curar a inflamação;
  • Apenas use colírios recomendados pelo médico.

Confira também:
O que fazer quando a criança tem medo de ir ao médico?


 

 

Escrever um comentário