Além do isolamento social e dos sentimentos de incerteza, angústia e insegurança, a pandemia trouxe ainda outro desafio, que atinge comumente todos os pais e mães de crianças em idade escolar: o ensino remoto e como ajudar os filhos e filhas a estudar durante a quarentena.

De um dia para o outro, ensinar Biologia, História, Matemática e Geografia para as crianças passou a fazer parte da rotina dos adultos, que ainda precisam preparar todas as refeições, cuidar da casa e dar conta do trabalho, que agora é home office. 

Entretanto, há três meses com as aulas remotas, algumas famílias acabaram “desenvolvendo” manual de boas práticas para ajudar os filhos e filhas a estudar melhor nesse período. E quem compartilha com a gente as dicas é a engenheira Juliana Shams, de 35 anos, e a bióloga Fernanda C. Bonon Serafim, de 40 anos. Ambas são mães de meninas, que têm 9 anos, e meninos de 6 anos, e nos deram 7 sugestões interessantes para auxiliar o rendimento das crianças.

 

1- Combine os horários e as atividades do dia no ensino remoto

Antes da pandemia, na casa da engenheira Juliana Shams, de 35 anos, sempre houve combinados sobre atividades que era preciso ser realizadas ainda no período da manhã, como arrumar a cama, trocar de roupa, arrumar o quarto e tomar café. E isso tudo era preciso ser realizado antes de iniciar as brincadeiras. Agora, durante a quarentena, novas tarefas foram incluídas na rotina, como tirar a mesa do café, preparar salada para o almoço e molhar as plantas.

“Enfim, ter atividades que estimulam a cooperação como família, e também a responsabilidade, me parecem fundamentais neste momento em que todos precisamos uns dos outros na rotina familiar, já que estamos todos trabalhando em casa”, afirma.

Juliana ainda conta que os combinados de atividades e horários são definidos em consulta, nunca impostos. “Colocamos a situação e, em família podemos propor soluções, e pensamos maneiras de todos ajudarem de alguma forma. O fato de ser algo decidido com o envolvimento das crianças auxilia para que não vejam aquilo como imposição dos pais, mas sim como parte de sua colaboração na família”, explica.

Depois disso, os combinados e horários ficam à disposição de todos, em um  esquema prático e colorido em algum lugar visível da casa. Na família da Juliana, o lugar escolhido foi a geladeira. 

“As crianças fizeram também seus esquemas de horários das aulas online, e colaram próximo a mesa de estudo, assim, em alguma medida, eles mesmos se veem como responsáveis pela atividade, tirando dos adultos aquela postura de ficar ‘brigando’ dizendo que já está na hora. E o meu papel é apenas avisar alguns minutos antes que a aula ou atividade está para começar”, ressalta. 

 

2- Palavras de encorajamento e elogios sinceros

O que também tem funcionada na casa da Juliana é buscar reconhecer de maneira genuína o esforço das crianças, e não ficar com a postura de avaliação, como os professores que precisam verificar as atividades e fazer correções. ”Por mais que estejamos em parceria com a escola, não somos professores e, neste momento, as crianças precisam muito de seus pais”, acredita.

Sendo assim, mantenha apenas um olhar apreciativo para as atividades que os filhos e filhas realizam e, mesmo que tenha algo errado, deixe para a professora ajudar. “Pode-se identificar quais são as dificuldades da criança e reportar em interações com os professores, para que ela ajude neste sentido”, recomenda.

 

3- Forneça os recursos necessários para as aulas

Uma dica da bióloga Fernanda C. Bonon Serafim, 40 anos, é buscar, na medida do possível, fornecer os recursos técnicos necessários durante as aulas no ensino remoto. Afinal, um computador que não funcione bem ou uma internet muito fraca podem comprometer o engajamento das crianças nas aulas remotas. “Em casa tivemos que fazer adaptações, desde comprar mais notebook até colocar cabo de internet no quarto, pois precisavam utilizar na mesma hora”, explica. 

Quando não for possível investir, uma dica é pedir emprestado para algum familiar ou amigo ou mesmo negociar os horários de uso, no caso de haver apenas um equipamento. 

 

4- Mantenha um local fixo para realizar as atividades escolares e guardar os materiais

Manter um local específico para realizar as atividades e assistir as aulas, assim como guardar os materiais escolares sempre em um mesmo local, podem contribuir para o rendimento das crianças.

Juliana conta que colocou escrivaninha no quarto das crianças, e auxiliou para que as apostilas e os cadernos fossem guardados na gaveta, assim como os lápis, canetas, cola e tesoura foram organizados em porta-lápis, deixado sobre a mesa. 

“Esta organização ajuda para que a criança consiga ser mais independente na hora da atividade e não ficar chamando toda hora. Ao final das atividades do dia, eu ajudo a guardarem e organizarem tudo novamente para o dia seguinte”, pontua. 

 

5- Estimule a criatividade e a imaginação

Em momento deliciado, onde não é permitido deixar as crianças brincarem em praças ou até mesmo em playgrounds compartilhados condomínios, por exemplo, Juliana acredita que é importante fazer propostas de brincadeiras e, de preferência, que sejam livres das telas, possibilitando interações reais com toda a família. 

“Não vejo como sendo justo com as crianças, neste momento, apenas dizer ‘vai brincar de alguma coisa’, já que não podem sair de dentro de casa, e não dá para fazer qualquer coisa na casa”, pontua. 

De acordo com a vivência de Juliana, ter momentos de qualidade auxilia para que as crianças não se sintam saturadas quando for o momento de iniciar as interações virtuais com a escola durante o ensino remoto.


Confira também:
Ócio criativo: Quais os benefícios para as crianças em ‘fazer nada’?


6- Promova um momento de “recreio” no intervalo das atividades da escola

Para a família de Juliana, foi bastante útil estabelecer um momento para as crianças darem uma pausa nas atividades, onde elas fazem um lanche juntas, conversam um pouco e se distraem, antes de seguirem com as atividades. “Isto eu ainda estou testando, porque as crianças ficam o tempo todo pedindo coisas para comer durante a aula, e eu ficava uma bagunça. Isso mesmo sem estarem com fome, pois tinham acabado de almoçar. O fato de combinarmos o recreio ajudou bastante”, esclarece.

 

7-Deixe a casa silenciosa durante as aulas e atividades

Para mães e pais que têm mais de um filho, um grande desafio é administrar as aulas no ensino remoto, que muitas vezes acontecem no mesmo horário. E manter a casa silenciosa é fundamental para que as crianças consigam manter a concentração.

Para isso, Fernanda optou por deixar cada filho em um quarto durante as aulas.  Como o caçula está em processo de alfabetização e não possui autonomia para fazer a atividades sozinho, ela acaba focando mais a atenção no filho, mas algumas vezes vai no quarto da filha para acompanhá-la também. “Como ele estuda período integral, suas aulas online são divididas em quatro horários durante o dia. Já minha menina consegue fazer suas aulas sozinha, ela tem aula online no período da tarde”, conta.


Confira também:
Parentalidade consciente: uma aliada das famílias durante a pandemia


Escrever um comentário