“As crianças não brincam de brincar. Brincam de verdade.”

Mário Quintana

Quero contar para vocês uma história que aconteceu na vida da artista Clarice Borian, formada em antropologia e administração de empresas. No ano de 2014 houve uma forte seca na cidade de São Paulo. Com a falta de água, as folhas caíam em grande quantidade pelas ruas, afinal, como todos tinham que economizar a água, não podiam molhar as plantas. Foi então que Clarice passou a recolher as folhas caídas do chão e, com elas, bordar a palavra “gratidão” nas folhas secas e pendurar novamente nas árvores. 

Foi o jeito que ela encontrou de dizer às árvores que ela sentia muito por tudo que estava acontecendo e, de alguma forma, dar vida novamente às folhas mortas.

Depois que a seca passou, Clarice continuou bordando folhas e criou uma oficina para as pessoas bordarem suas palavras também.

A artista gosta de bordar palavras que fazem sentir, pensar, refletir. Sua intenção é ampliar o olhar sobre as árvores, natureza, a simplicidade. “Falar que folha não é sujeira e que palavras são sementes”.

A partir dessa história que eu compartilhei com vocês, quero propor algumas brincadeiras.

Que tal um passeio na natureza? Sim aquela praça perto da sua casa! Certifique-se de que ela estará vazia, vista suas máscaras e não se demore. A ideia é ir até lá apenas para encontrar alguns elementos para brincar dentro da sua casa. Se sua casa tem jardim extenso ou gramado, pode dispensar a saída. 

Para essa brincadeira acontecer precisamos, apenas, observar as folhas que já estão no chão, as flores e os gravetos para recolher esses elementos e levar para a casa.

Com as folhas secas vocês podem bordar assim como a artista Clarice e presentear os seus amigos e familiares com palavras afetivas. Neste contexto de pandemia que o mundo está vivendo, um presente tão singelo,  significativo e cheio de afetos como esse pode ressignificar o momento. 

Outras sugestões é bordar o próprio nome ou decorar um porta retrato com a folhas encontradas naquele passeio. Para essas criações, minha dica é utilizar o ponto de pesponto, esse é o mais básico de todos, para bordar em cima das linhas que desenhou. 

Outra proposta é criar animais com as folhas secas em uma folha de papel sulfite! A imaginação e criatividade serão muito aguçadas e a diversão garantida, para todos da família. E com as folhas grandes, as crianças podem até construir  máscaras.

Para os gravetos, sugiro outra brincadeira, inspirada no “ser criança é natural”, da educadora Ana Carol Thomé. Ela se chama pessoas gravetos.

Eu e minha filha Olívia, de 3 anos, fizemos a nossa pessoa graveto e a brincadeira foi muito divertida. Tudo começou na procura dos gravetos que basicamente são dois tipos, o graveto forquilha que parece com a letra Y e o outro retilíneo,  de duas pontas. A união desses gravetos é feita com barbantes e você é livre para criar esse personagem. 

Naquela tarde, quando terminamos de criar os nossos personagens, nós demos vida para eles através de nossas vozes! E criamos até mesmo uma peça de teatro.E no momento do jantar, horas depois do começo da brincadeira, a Olívia continuava envolvida com o personagem/graveto que ela havia criado. Até comida na boca ele ganhou da pequena.

Preparados para criar a sua família graveto? Vamos lá, dar asas à imaginação!

Vou deixar o link do vídeo, para vocês assistirem juntos e se inspirarem! 

Brinquem muito com os elementos da natureza.

 

Escrever um comentário