Deixar os baixinhos e baixinhas livres para brincar, explorar e inventar é fundamental para estimular a criatividade infantil. Afinal, é durante todos esses processos, criando e imaginando, que as crianças aprendem a solucionar problemas, lidar com mudanças, e, assim, desenvolvem sua inteligência emocional. Estudos americanos que mediram a criatividade infantil, sugerem até mesmo uma maior correlação com o sucesso na fase adulta, do que os resultados apresentados em testes de QI.

Mas, antes de pensar em como estimular a criatividade dos seus filhos e/ou filhas, é preciso entender um pouco mais sobre o assunto. Apesar de o senso comum acreditar que somente artistas, cantores, músicos, publicitários, arquitetos e escritores são criativos é preciso esclarecer que essa habilidade está presente em todos os seres humanos. Você sabia que há, inclusive, tipos diferentes de criatividade? De acordo o professor de psicologia Arne Dietrich, a criatividade pode ser classificada em quatro tipos: deliberada e cognitiva; deliberada e emocional; espontânea e cognitiva; e espontânea e emocional. Vamos conhecer um pouco mais sobre cada uma delas:

A primeira delas, deliberada e cognitiva, é presente em pessoas que adquirem bastante conhecimento, se dedicam aos estudos e pesquisas. Quem tem esse traço de personalidade costuma fazer várias combinações de conhecimentos, justamente por deter as informações para poder trabalhar e produzir.

Já os indivíduos que se encaixam no perfil da criatividade deliberada e emocional, preferem ambientes calmos e, de preferência sozinhos, para poder executar as atividades. Costumam criar a partir da reflexão e subjetividade.

Quem se enquadra na classificação espontânea e cognitiva gosta de refletir, formar uma ideia e, então, produzir. Geralmente, o “insight”para pessoas com esse tipo de criatividade surge do ócio criativo. 

Por fim, as pessoas que se identificam a denominação espontânea e emocional são aquelas que não conseguem criar sob pressão e com cumprimento de prazos.

 

Como lidar com a curiosidade infantil?

Agora que você já sabe que há formas diferentes de criar, produzir e usar a imaginação, é preciso voltar a atenção para as crianças. Pais, mães, professores e cuidadores precisam sempre ter em mente que a curiosidade é beneficia e costuma ser o ponto de partida para os pequenos desenvolverem a criatividade.

Então, antes de ficar incomodada (o) com tantas perguntas repetitivas feitas pelas crianças ou, até mesmo, de se zangar por ter de explicar mil vezes como ocorre a chuva, por exemplo, saiba que os pequenos precisam exatamente exercitar isso para poder ser uma criança criativa.

“Vejo a curiosidade como um direito da criança e o dever do adulto é corresponder, sem dar respostas de prontidão, mas criando oportunidades para explorações e descobertas. Acolher a sensibilidade e o desejo de compreender o entorno, sem julgamentos, punições e críticas. A meu ver, é assim que devemos lidar com a curiosidade das crianças”, afirma a pedagoga e psicopedagoga Vanessa de Melo Zito.

A pedagoga especialista em psicopedagogia clínica Daniela Janssen ainda ressalta que, assim como a criatividade, é por meio da curiosidade que a criança adquire novos conhecimentos. “O universo infantil é muito desafiador e entusiasta. Uma simples escalada infantil em uma cadeira para  sentar-se, já é o suficiente para ela vencer este desafio e buscar sua autonomia. Nesta jornada, é extremamente importante que seu cuidador esteja por perto, afinal, é papel do adulto trazer segurança, amparo e direcionamento. O lado sapeca vai aparecer, querendo fazer coisas que sejam perigosas ou que, ainda, não são permitidas para idade. De forma geral, devemos incentivar e auxiliá-los nesta busca, sempre orientando para atitudes que lhe tragam perigo”, avalia.

 

Como estimular a criatividade infantil

De acordo com a pedagoga especialista em psicopedagogia clínica Daniela Janssen, propostas lúdicas podem contribuir para estimular a criatividade infantil. A dica da profissional é proporcionar um ambiente com recursos com desenvolvam a imaginação, como brinquedos com diferentes graus de complexidade, jogos, livros e, também, de atividade que favoreçam o desenvolvimento motor. “Planeje um espaço que motive as crianças a explorarem não somente o corpo, mas também as ideias”, recomenda.

A profissional ainda indica passeios ao ar livre, em contato com a natureza, práticas esportivas e atividades culturais. “No ambiente familiar, pense em jogos e brincadeiras que exijam a capacidade de explorar novos conhecimentos. Os jogos em família são sempre estimulantes, além de promoverem a interação e o afeto”, explica.

Já a pedagoga e psicopedagoga Vanessa de Melo Zito é enfática ao pontuar que uma das melhores maneiras de estimular a criatividade dos pequenos é mesmo por meio do brincar. “A brincadeira promove essa integração entre a realidade e a fantasia, responde muitas das perguntas das crianças, desenvolve habilidades motoras, emocionais, sociais e linguísticas, essenciais para o desenvolvimento de uma criança segura, confiante, capaz de resolver problemas de forma criativa e cooperativa”, justifica.


Veja a importância do brincar em prol do desenvolvimento infantil


Para isso, Vanessa indica que pais e mães devem propiciar espaços para as brincadeiras, com menos acesso às telas e mais tempo de interação. “Brincadeiras livres, dirigidas, contações de histórias, fantoches, culinária e jogos de tabuleiro, são recursos que podem enriquecer esses momentos. Mas uma dica é preciosa: procure permitir que a criança conduza essas vivências. Dessa forma, a criatividade inata dela será valorizada e super aproveitada”, orienta. 

Para as famílias que estão em busca de como incentivar a criatividade infantil, outra dica é conhecer o trabalho do professor Murilo Gun, que também é pesquisador de educação, fundador da Keep Learning School, uma escola online de cursos livres para adultos, e referência sobre o tema criatividade. No seu curso Cri Cri Cri (Criando Crianças Criativas), Gun fala sobre como não bloquear a criatividade das crianças e criar filhos (as) abertos ao mundo e ao novo.

Em um vídeo publicado em seu site (https://cricricri.keeplearningschool.com/), ele conta que a maioria dos adultos afirma que deseja que seus filhos sejam felizes no futuro. Porém, Gun lembra que felicidade também é um processo de experimentação e descobertas. “Por isso, a importância de deixar a criança explorar suas potencialidades. Porque, na nossa visão, é explorando as potencialidades que a criança vai descobrir a maneira dela de ser feliz”, esclarece.

Escrever um comentário