A pandemia acelerou um processo que vinha sendo construindo gradualmente, o mundo virtual. As pessoas já estavam ficando cada vez mais conectadas nesse mundo digital, mas o isolamento nos forçou a antecipar. E como ficou o autocuidado?

Tivemos que aceitar e se adaptar a essas novas tecnologias quase que de um dia para o outro. E atualmente, observo que estamos sendo consumidos por tudo isso: internet, redes sociais, noticias, aulas online, reuniões online, até casamento e festa de aniversário estão sendo feitas através de plataformas digitais.

Dessa forma, imagine onde vamos chegar? Até quando vamos conseguir, e querer, acompanhar essa avalanche de informação, conhecimento, distrações, responsabilidade?

 

Mundo virtual x mundo real

Eu vejo que a maioria das pessoas já está ficando saturada deste mundo virtual. Foi bom, teve seus benefícios, mas precisamos também de contato com outras pessoas.

Assim, está faltando o contato humano, conversar olho no olho, sentir a respiração das pessoas e dar mais abraço.  Pode não parecer, mas isso contribui com nossa estabilidade emocional e, muitas vezes, acaba causando estresse e desmotivação.

Por exemplo, no início, as aulas online pareciam ótimas. Assistir no conforto do lar, não ter horários tão rígidos. Reunião pelo zoom? Ótimo, não precisa mais enfrentar trânsito. Mas veja o volume disso. É reunião para tudo agora. E será que é necessário estar o tempo todo conectado?

Tudo isso está nos consumindo, independente de idade, cargo, profissão. Estão todos sobrecarregados desse mundo virtual. Imagine, ficar cansado até mesmo das redes sociais, que muitos usam antes apenas para se distrair. 

 

Emocionalmente abalados

Em conversa com uma amiga psicóloga um dia desses, ela me contou que muitos dos seus pacientes adolescentes estão declinando emocionalmente por falta de convívio social. 

Imagine, que nessa idade, a interação social é fundamental no processo de amadurecimento, e os jovens que estão deprimidos não podem ter por perto os amigos e familiares, a rotina que tinham antes escola e exercícios físicos, e acabam ficando mais sozinhos, ansiosos e deprimidos.

Mesmo nós, adultos, que temos mais condições de regulação emocional e menos necessidade de interação social, como estamos nos sentindo depois desse período de isolamento? Sem os encontros com amigos e conversas de olho no olho, abraços e contato humano?

Entendo que seja complicado, por isso, mesmo nesse momento que já estamos mais flexíveis em relação ao isolamento, considero fundamental investir no autocuidado.

 

Autocuidado e a resiliência

Com tudo isso, não sobrou muito tempo para nós mesmos. Ficamos sobrecarregados. Como nos manter mental e emocionalmente saudáveis?

Somente através do autocuidado. É por ele que podemos criar resiliência, curtir a nossa própria companhia, manter a autoestima boa e criar, com criatividade, formas de interagir com as pessoas. Tudo isso sem e esquecer dos cuidados que devemos tomar ainda. 

Logo, temos que fazer tudo isso de forma que seja seguro para todos. Que tal jogos entre a família? Um passeio ou piquenique no parque sem aglomerar, apenas com as pessoas do seu convívio diário.

Por que não assistir novos filmes em sessões pipoca com a família?  O autocuidado não exige eventos e atividades mirabolantes, mas sim reservar um tempo para você. Para curtir como você quiser, com amigos e familiares, para te deixar mais feliz e animado.

 

Vai passar

É claro que isso tudo vai passar, mas é fundamental você manter sua saúde, seja física, mental e emocional. Com todos os devidos cuidados, podemos ir aos poucos retomando nossa vida, os encontros e os contatos. 

Aquele olhar, o toque, um abraço, que é tão importante para todos nós e que, somente quando nos foi tirado, percebemos a importância e a falta que nos faz. 

Reflita até que ponto você precisa estar neste mundo digital e até onde pode ir no pessoal. Todo mundo anda muito tenso, estressado e ansioso. É preciso se afastar, se dar um tempo, talvez se desconectar, para se conectar consigo mesmo. 

Afinal, o vírus e a pandemia vão passar, mas você vai continuar aqui! E como você quer estar quando tudo isso acabar? O que você pode fazer hoje para se sentir bem?

Escrever um comentário