Após um ano de distanciamento social, longe das escolas, dos amigos e com as escolas de portas fechadas, diversos alunos puderam retomar às aulas presenciais neste início de ano letivo. Entretanto, se para muitas crianças foi uma alegria vivenciar novamente o convívio escolar, outras sentiram dificuldade, afinal, foram longos meses dentro de casa, ao lado da família. E há, ainda, o medo e a insegurança que a própria pandemia gera e, muitas vezes, também são sentidos pelas crianças. 

Para a pedagoga Jéssica Talita, que é pós-graduada em alfabetização e letramento e administra o perfil @pro_pretinha, no instagram, é esperado que alguns alunos e alunas sintam um estranhamento ao retornar para as aulas presenciais, até mesmo por terem se acostumado com a rotina de ficar em casa. “As crianças sentem e sabem o que está acontecendo em sua volta, de tanto ouvirem os adultos falarem sobre a pandemia, elas acabam despertando um receio e, talvez, até um medo profundo de ficarem doentes”, afirma.

E, se a adaptação já estava sendo um obstáculo para alguns pequenos e pequenas, a situação pode ficar ainda mais desafiadora agora, ao menos no Estado de São Paulo, em que foi decretada fase emergencial. Com a nova regra, escolas estaduais e municipais foram fechadas, e as particulares podem ficar abertas atendendo até 35% dos alunos matriculados. Ou seja, quando as instituições de ensino abrirem as portas novamente, será preciso um olhar atento para àqueles que já não estavam se sentindo seguros. “Todos nós estamos inseguros com tudo o que vem acontecendo e não seria diferente com as crianças. Há insegurança do que é novo, se tudo ficará bem, se tudo voltará ao normal. E esse incerto pode gerar ansiedade”, pontua a psicóloga Giovanna Almeida Leite, que tem especialização em psicologia escolar, infantil e orientação de pais e professores.

Como escola e família podem acolher a criança que apresenta dificuldade nesse retorno? 

De acordo com a pedagoga Jéssica Talita, uma boa estratégia para este momento é as escolas apostarem na contratação de estagiários e auxiliares, para que a equipe seja ampliada e consiga ajudar o professor ou professora a atender essas crianças. “Afinal de contas, se já havia dificuldade antes da pandemia e os professores não davam conta, imagina agora tendo que começar do início para muitos”, afirma.

Para a psicóloga Giovanna Almeida Leite, escola e professores precisam ter empatia e paciência para acolher as crianças que estão sentindo dificuldade em retomar as aulas presenciais. “O aluno que retorna não é o mesmo que você, enquanto educador, conhecia antes. Nesse período, seu desenvolvimento percorreu diversas influências. Alguns alunos perderam familiares, todos perderam seu convívio social, alguns sofreram impactos econômicos em sua família, dentre outras circunstâncias. Por isso, é preciso acolher esse aluno com empatia, ouvi-lo, entender a sua dor e suas inseguranças e colocar-se disponível para auxiliar em seus sentimentos”, orienta.

A família também pode e deve auxiliar neste processo de adaptação das crianças. A recomendação da pedagoga Jéssica é para que pais e mães invistam no diálogo com os filhos e/ou filhas. “Reforce todos os dias o quanto é importante ir para escola. Relembre das coisas boas da escola, sempre estimulando a criança. A fase de adaptação da criança tem que ser respeitada e gradativamente ela vai se adaptar novamente”, enfatiza.

A psicóloga Giovanna destaca ainda que a família sempre terá um papel importante na vida escolar do aluno.  Ela acredita que, primeiramente, é necessário conversar com a criança e entender o que ela sente em relação ao ensino presencial, e se a insegurança que ela está sentindo é em relação ao vírus ou por estará longe dos familiares.

“Depois, converse com a escola, explique como o seu filho se sente e busque entender os protocolos que a escola está seguindo. Informe-se e passe segurança para a sua criança. Se ela estiver com medo do vírus, explique como a escola estará combatendo-o no dia a dia. Se a insegurança for relacionada a estar longe dos familiares, dedique um tempo juntos, explique qual momento será esse, seja acolhedor e paciente”, explica Giovanna.

Caso seu filho ou filha demonstre que o descontentamento de voltar para escola é por ficar longe do pai e/ou mãe, é possível também pensar em formas de lidar com esse sentimento. “Deixe com a criança uma foto sua, um recado ou um desenho. Deixe que ela tenha algo seu em que ela possa acessar quando a insegurança aparecer. Este é um período de adaptação e o choro vai cessar quando a criança se sentir segura. Valide seus sentimentos e incentive a volta escolar, assim mais brevemente a criança estará adaptada à nova rotina”, sugere a psicóloga Giovanna.

Os novos protocolos podem atrapalhar a adaptação de alguns alunos?

Devido à pandemia, diversos protocolos precisaram ser adotados pelas escolas. Além de manter o distanciamento físico, o que incluir vetar beijos e abraços, as crianças precisam usar máscaras, há uma higienização constante das mãos e aferição da temperatura logo na entrada dos colégios. Com tantas restrições, mesmo necessárias, é comum pais e mães ficarem receosos de que tais medidas podem acabar dificultando a adaptações dos filhos e/ou filhas, não é mesmo?

Porém, as profissionais da educação são enfáticas  ao afirmar que as atuais medidas sanitárias não necessariamente tornam a adaptação mais desafiadora. “Acho que nós professores conseguimos controlar essa situação. Somos criativos e sempre pensamos em alguma maneira divertida e prática para que eles se adaptem e tudo fique bem. A criança respeita mais do que os adultos, isso eu tenho certeza”, enfatiza a pedagoga Jéssica Talita.

A psicóloga Giovanna Almeida Leite também compartilha dessa opinião e, ainda, reforçar que os protocolos são precisos para fortalecer a segurança de estar naquele ambiente. “Na escola em que trabalho, os alunos ao chegarem passam por higienização com álcool e medição de temperatura, assim, ao adentrar à escola, estão confiantes de que eles e seus colegas estão seguros e livres do vírus. Não abraçar e manter a distância também estabelece segurança, por isso, os alunos encontram outros meios de se conectarem. Brincadeiras, conversas, desenhos, cartinhas”, exemplifica.

De acordo com Giovanna, a higienização e troca de máscara, por exemplo, são feitos de maneira descontraída e passam a ser encaradas com naturalidade pelos alunos. “Para nós, talvez seria difícil imaginar isso. Mas, principalmente para os menores, é a forma como o mundo tem sido apresentado a eles. Ou seja, já tornou-se habitual esses momentos na escola e para criança não tem tempo ruim, tudo pode ser feito de forma divertida!”, destaca. 


Confira também:
Pandemia: com quais sintomas o meu filho não deve ir para a escola?


 

Escrever um comentário