Crescente em todo o mundo, a obesidade infantil é considerada um problema de saúde pública. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), estima que, em 2025, cerca de 75 milhões de crianças estarão obesas. No Brasil, atualmente, uma em cada três crianças de 5 a 9 anos estão acima do peso, de acordo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Os números são alarmantes pois, afinal, o sobrepeso infantil apresenta riscos para a saúde da criança e pode comprometer até mesmo sua qualidade de vida na fase adulta. Para os baixinhos, pode desencadear problemas respiratórios, colesterol, enxaquecas, diabetes, entre outras complicações. Já quando adulto, há riscos de hipertensão e cardiopatias, além de obesidade mórbida.

Entretanto, a família tem papel fundamental para poder mudar todo esse cenário e prevenir a obesidade infantil. “Precisamos ter educação nutricional inclusa nas famílias. Pais e mães que incentivam e promovem bons hábitos alimentares, vão repercutir bons costumes até na vida adulta dos filhos”, pontua a nutricionista Luanna Caramalac Munaro, que atua na área integrativa, com foco em prevenção e tratamentos de doenças crônicas degenerativas e emagrecimento saudável.

De acordo com a profissional, a família é exemplo e espelho para as crianças. “Os pais devem se alimentar daquilo que cobram que o filho coma. Exemplo é tudo. Antes de querer que ele coma, preciso dar o exemplo. Filho é a cópia do pai e da mãe, ou seja, repete o padrão de comportamento dos pais. Isso na alimentação está muito associado. Se os pais não têm uma alimentação saudável, o filho também não terá”, explica.

Sendo assim, a nutricionista Letícia Tischenbergm que também é colunista do blog Family Center, ressalta que a família deve manter sempre uma alimentação saudável, com refeições caseiras, evitando congelados e industrializados. “Alimentação saudável para a criança não se difere da do adulto. Crianças e adultos devem comer alimentos de todos os grupos; evitar ou nem ter contato com os industrializados; fast food não pode ser regra, tem que ser exceção, e quanto mais manter a criança longe disso, melhor. Evite sorvetes, recheios de bolacha, produtos de padaria, frituras. Tudo isso foge de uma alimentação saudável”, exemplifica.

 

Meu filho não aceita mais comida saudável, e agora?

Seu filho e/ou filha adora doces, frituras, industrializados e agora está mais seletivo (a) para comer, recusando até mesmo verduras, frutas e vegetais? De acordo com a nutricionista Letícia Tischenbergm, esse é um cenário comum em muitas famílias. “Conforme essa criança tem contato com alimentos industrializados e açúcar concentrado, ela começa selecionando mais para esse lado, porque o paladar dela é mais para o doce, o próprio leite materno é adocicado. E com o passar da idade, a dificuldade vai aumentando”, afirma.

Para as mães e os pais, mudar a rotina alimentar dos filhos e filhas é muito desafiador. A dica da Letícia é para as famílias incluírem os baixinhos em todo esse processo. “Para incentivar, o importante é a criança participar. O processo não pode ser arbitrário, exigir que a criança coma e pronto. Faça uma horta com seu filho, leve ele para o hortifruti, peça ajuda para escolher os vegetais. Coloque sua criança para picar uma salada, preparar um legume”, sugere.

Para quem não tem quintal para viabilizar uma horta, é possível colocar alguns vegetais e temperos em potinhos com água. As crianças vão gostar de ver o desenvolvimento e, ainda, pode despertar o interesse na hora da refeição. Experimente colocar uma batata-doce em um pote de vidro com água. Após algumas semanas, saem raízes e, depois, os brotinhos. As folhas da batata-doce são comestíveis, podem ser incluídas no cardápio da família. 

“Acima de tudo, o exemplo é importante, mas participar do processo, plantar, cozinhar, preparar e escolher são fundamentais também. Permita que a criança conheça e tenta contato com os alimentos”, orienta a nutricionista. 


Confira também:
5 receitas de lanches saudáveis para fazer nesta quarentena para as crianças


 

Escrever um comentário