Chega a hora de dormir, o quarto está escuro, a casa em silêncio. O cenário é tranquilo, acolhedor e perfeito para adormecer. Porém, é só seu filho ou filha deitar na cama que começa mostrar resistência ao sono? Vira de um lado, vira do outro, pede água… mas nada de dormir. Se você se identifica com essa descrição, saiba que ela é bem comum na maioria das famílias e pode começar logo cedo, a partir dos 2 ou 3 anos.

“Essa resistência ao sono acontece, principalmente, porque a criança deseja participar ativamente de tudo. Para ela, dormir é como se estivesse perdendo tempo de brincar, por exemplo. Então, encontram meios de demorar mais pra dormir, como dizer que quer água ou até mesmo que está com fome”, esclarece Larissa Rodrigues, que é Consultora Materna, do Sono e Amamentação.

Para ajudar a criança a adormecer com mais facilidade, a dica da profissional é para os pais e mães manterem a tranquilidade e entenderem que a criança apenas está querendo aproveitar ao máximo o tempo acordada.

“Converse e demonstre que é importante descansar para ter ainda mais energia para brincar quando acordar. Outra recomendação é diminuir as atividades antes de ir para a cama, isso ajuda a criança a entrar em um processo de relaxamento, para conseguir ‘desligar’ quando for deitar”, explica.

 

Telas X melatonina

Evitar a exposição de telas antes de dormir também é fundamental para que os pequenos consigam ter esse relaxamento. “A tela interfere na produção de melatonina, além de diversos outros fatores, dificultando ainda mais o processo para um sono de qualidade”, afirma.

Manter uma rotina para dormir pode contribuir para que as crianças sejam menos resistentes ao sono. “Essa repetição no dia a dia ajuda a criança a se sentir segura, sabendo a ordem do que acontece e entendendo os momentos de relaxar, brincar, comer, tomar banho.  Essa rotina permite até que os pais consigam adequar momentos de trabalho ou cuidados com demais atividades do dia, alinhados à rotina da criança”, pontua.

Para a profissional, uma dica valiosa é utilizar o quadro de rotina ou atividades. “Vale até mesmo criarem um livro juntos, com desenhos que possam ser coloridos pelas próprias crianças. Além de gostarem de participar ativamente da construção, entendem a repetição que acontece diariamente”, sugere

 

Você sabia que o sono infantil passa por mudanças?

De acordo com a consultora materna Larissa Rodrigues, o padrão de sono das crianças vai mudando desde quando são recém-nascidos. “A partir de 3 ou 4 anos algumas crianças tendem a deixar de tirar sonecas durante o dia. Mas é importante entender se partiu da criança. Algumas ainda precisam manter as sonecas por mais tempo. E tudo bem”, ressalta.

Mesmo quando não tirar a soneca uma escolha própria do baixinho, Larissa recomenda separar um momento do dia para o descanso. “Nem que sejam 30 minutinhos na cama, somente relaxando. É possível que após um tempo, a criança até volte a dormir durante o dia”, conta.


Crianças podem apresentar alteração no sono durante pandemia

Com toda a mudança que a quarentena trouxe para o dia a dia, o sono das crianças também pode passar por mudanças. É o que tem acontecido na casa da analista de marketing Nuria de Oliveira, 33 anos, que é mãe da Julia, de 7 anos.

Segundo Nuria, a filha sempre acordou de madrugada, o que acontecia com uma certa frequência. “Tinha melhorado um pouco antes da quarentena. Mas aí começou a pandemia, e ela voltou a acordar todas as noites. Ela fala que tem algo no quarto, tem um sono muito agitado. Uma noite dessas acordou três vezes. Estou tentando tirar o excesso de vídeos para ver se, com menos estímulo, melhora um pouco”, conta.

A consultora materna Larissa Rodrigues lembra que as crianças sentem tudo o que acontece nas casas e percebem os sentimentos dos adultos. “Vivemos momentos de incertezas e isso pode afetar, inclusive, no sono das crianças. Além de que a rotina dos pequenos também mudou. Estão dentro de casa, sem contato com familiares ou amigos, notam a rotina dos pais diferente também, não gastam tanta energia em ambientes diferentes. E tudo o que acontece com a criança pode interferir no sono”, pontua.

Sendo assim, a profissional recomenda ter momentos exclusivos com os filhos e filhas e manter uma rotina bem estabelecida com combinados. “Além é claro, de paciência e acolhimento em momento de tantas incertezas”, finaliza.


Confira também:
As fases da infância: quais são e porque você deve conhecer?


 

Escrever um comentário